Como o furto de um cartão levou a PF à prova que faltava para ligar o PCC à máfia dos Bálcãs

Como o furto de um cartao levou a PF a.png

Como o furto de um cartao levou a PF a.png

# Como o furto de um cartão levou a PF à prova que faltava para ligar o PCC à máfia dos Bálcãs

A Polícia Federal bateu na porta do comerciante de peixes Vanderlei da Silva Faria, de 39 anos, e de sua mulher Ana Júlia Mendes, em São Francisco do Sul, em Santa Catarina, em 5 de outubro de 2023, durante as investigações da Operação Dontraz, sobre o bilionário do tráfico de drogas comandado pela Máfia dos Bálcãs.

Os agentes encontraram a casa e o antigo comércio fechados, obtiveram o endereço dos dois e a ordem de busca judicial. A operação era a primeira ação da recém-criada Força Integrada de Combate ao Crime Organizada (FICCO), que reúne membros das polícias federais e estaduais e agentes penais.

## A Última Fase da Operação Dontraz

Os agentes descobriram que os suspeitos estavam morando em outro endereço, no bairro Morro Grande, ali mesmo em São Francisco do Sul, marcando a última fase da Operação Dontraz. A Justiça Federal expediu um mandado de prisão preventiva contra Faria.

## A Descoberta de Evidências Materiais

Os policiais tinham conhecimento de que integrantes da Máfia dos Balcãs estavam por trás do envio de 10,2 toneladas de cocaína apreendidas em dois barcos, com traficantes ligados ao PCC. No entanto, faltavam provas materiais da ligação dos brasileiros com a facção, apesar dos indícios. Faria era um dos alvos da última fase da Operação Dontraz pela suspeita de estar ligado à logística do segundo carregamento.

## O Relacionamento com o PCC

Inclusive, Faria mantinha contato com a tripulação do pesqueiro Dom Isaac XII, o que o tornava suspeito na logística do tráfico. Após a queda do Dom Isaac XII e a prisão da tripulação, Faria temeu que pudesse ser alcançado pela PF. Entretanto, o tempo passou e nada indicava que sua participação no esquema tivesse sido descoberta.

## A Descoberta do Segundo Aviso

Um ano depois, em 19 de setembro de 2023, outra embarcação da flotilha do tráfico, a Palmares 1, foi abordada.

[Leia o artigo original](https://www.estadao.com.br/resizer/mPKc1erTpJYFWpvgiBnnbTTdR70=/380×0/filters:format(png):quality(80)/cloudfront-us-east-1.images.arcpublishing.com/estadao/DAFFSIBYJJEEJI5QBIGKB7UTWQ.png)# Marinha e PF apreendem 3,6 toneladas de cocaína na costa de Pernambuco

A Marinha do Brasil e a Polícia Federal apreenderam uma grande quantidade de cocaína, totalizando 3,6 toneladas, em uma operação conjunta realizada ao largo da costa pernambucana.

![pesqueiro Alcatraz 1, uma das embarcações da flotilha do tráfico apreendidas pela PF durante a Operação Dontraz](https://www.estadao.com.br/resizer/fhjX9XBG3iFriXPquLuRoRMB3AI=/380×0/filters:format(png):quality(80)/cloudfront-us-east-1.images.arcpublishing.com/estadao/ULCZZX5HZJCJ7NJMLQDDSYXAOQ.png)

A embarcação em questão, o pesqueiro Alcatraz 1, fazia parte da flotilha do tráfico controlada pela Máfia Sérvia, que foi alvo da operação policial. O barco partiu de Santa Catarina, juntamente com o Dom Isaac XII, e estava envolvido em atividades ilícitas ligadas ao tráfico de drogas.

## Atuação da Máfia dos Bálcãs

A Máfia dos Bálcãs, uma organização criminosa conhecida por seus envolvimentos em atividades ilícitas, é responsável pelo esquema que inclui o pesqueiro Alcatraz 1 e outras embarcações apreendidas. A Polícia Federal descobriu diálogos presentes em um dos celulares apreendidos com a tripulação do Dom Isaac XII, os quais revelaram informações cruciais que levaram às investigações sobre as operações ilegais.

Por volta das 17h40 de 1º de agosto de 2022, um dos suspeitos, identificado como Faria, utilizou o nome “Anúbis”, fazendo um pedido específico a um dos tripulantes. Ele alertou sobre a natureza ruim da carga presente na embarcação, solicitando que nenhuma oração fosse feita, pois o conteúdo destinava-se à proteção por meio de práticas ligadas ao Vodu.

## Pedido de Faria e descoberta da prova

Faria reforçou esse pedido em outras mensagens, alertando que a carga era relacionada ao Vodu e que qualquer atividade religiosa dentro da embarcação poderia provocar consequências severas. No entanto, seu conselho não foi acatado, resultando na apreensão do barco e da droga, bem como na prisão da tripulação.

Apesar de não ter sido abordado pela Polícia Federal inicialmente, Faria recebeu a visita da Polícia Militar de São Paulo devido a uma acusação não relacionada ao tráfico de drogas. Essa visita acabou revelando evidências que ligavam o PCC à operação ilegal, oferecendo a prova necessária para a conclusão da Operação Dontraz.

![Vanderlei Faria e sua mulher Ana Julia foram presos sob a acusação de torturar a babá quando eram investigados](https://www.estadao.com.br/resizer/4pzWxOGcyy5wtsfyMD_FUQuDbiA=/380×0/filters:format(png):quality(80)/cloudfront-us-east-1.images.arcpublishing.com/estadao/QRTJXZN2OZA2NGXPLNCVDLVJH4.png)

Como resultado, Vanderlei Faria e sua esposa, Ana Julia, foram presos sob a acusação de torturar a babá durante as investigações. Esse desdobramento revela a complexidade das atividades ilícitas e as conexões entre diferentes organizações criminosas no Brasil.# Casal envolvido em tráfico de drogas: Tortura e vínculos com facção criminosa

O casal Faria e Ana Júlia Mendes, moradores de Guararema, na Grande São Paulo, foi preso sob acusação de tortura à babá dos filhos. A funcionária havia suspeitado das atividades ilícitas do patrão e, ao tentar revelar o que descobrira ao namorado, foi surpreendida por Ana Júlia. A patroa a agrediu e chamou o marido, ameaçando a babá de represália por revelar seus segredos.

## Pagamento indevido e conexões com facção criminosa

Durante o período em que estiveram detidos, outra funcionária do casal teria se apropriado de R$60 mil do comerciante. Após a descoberta do desfalque e a libertação do casal, Faria entrou em contato com um criminoso chamado Pazini, indicando que a responsável pelo golpe poderia ser encontrada através de Nenê Paraíba, ligado à facção criminosa “Final de São José dos Campos”.

## Mensagens comprometedoras e vínculos com o PCC

Faria também mencionou a necessidade de levar os responsáveis pelo furto “pro Resumo” – o tribunal do crime, chamado “Resumo Disciplinar”. Este é um procedimento onde membros da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) são julgados e punidos por suas infrações, seguindo o código penal interno.

## Consequências e exigências da facção

Pazini responde a Faria mencionando a cúpula da facção e instruindo-o a comparecer ao julgamento. Posteriormente, a facção deu um prazo para a devolução do dinheiro, estabelecendo consequências caso a exigência não fosse atendida. Embora o dinheiro tenha sido devolvido, as mensagens relacionadas às atividades criminosas permaneceram salvas no celular de Faria.

A situação toma um novo rumo com a prisão de Faria em decorrência da Operação Dontraz, onde mensagens comprometedoras referentes à facção PCC foram encontradas em seu celular. As autoridades também descobriram que ele possuía ligações com a chefia da facção na região do Vale do Paraíba. Este é um caso que evidencia as graves consequências de envolvimento com atividades ilegais e organizações criminosas do tipo.# Traição Desvendada: A Prova que Derrubou o Suspeito de Tráfico Internacional de Drogas

Em um desfecho surpreendente, Vanderlei da Silva Faria viu-se aliviado quando os peritos da Polícia Federal de Santa Catarina não conseguiram extrair completamente os dados de seu telefone celular, marcando um ponto positivo para o acusado.

## A Reviravolta

Enquanto Faria respirava aliviado, seu companheiro, Carlos Marratman Silveira, não teve a mesma sorte. A polícia encontrou em seu celular mensagens e imagens associando-o ao Primeiro Comando da Capital (PCC), complicando ainda mais a situação. No mesmo barco, o primeiro acusado do grupo, Lino Barbosa de Souza Junior, também estava sob suspeita de envolvimento com o PCC, que levou à prisão de todos os 15 acusados na operação. Jairo de Souza, o quarto acusado, continua foragido.

## A Reviravolta

Com a nova análise solicitada pela FICCO ao Serviço Técnico Científico da Polícia Federal de São Paulo, o cenário mudou drasticamente. No segundo exame, todas as mensagens enviadas e recebidas por Faria com o perfil “Gladiador” foram descobertas, lançando uma luz sobre suas atividades.

### O Veredicto

Finalmente, os vínculos dos investigados com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital foram expostos. O delegado Alexandre Custódio Neto, diretor da FICCO, confirmou a associação ilícita de membros da Máfia dos Bálcãs e do PCC em empreendimentos de narcotráfico internacional. A prova decisiva veio à tona com o furto de um cartão, que entregou à PF a evidência necessária para completar as peças do quebra-cabeça da investigação.

Após a reviravolta, a sorte de Faria mudou completamente. O que parecia uma vantagem transformou-se na ruína de sua defesa. A traição das mensagens ocultas revelou a verdade sobre suas atividades ilícitas, e as consequências desse desfecho desastroso serão inescapáveis.

Sair da versão mobile